O nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Descubra mais informações sobre a utilização de cookies e tecnologias semelhantes na nossa Política de Cookies. Poderá alterar as configurações do seu equipamento para recusar cookies ou ser notificado quando um cookie lhe for enviado. Para mais informação aceda por favor à nossa Política de Privacidade
Aceitar
Infinite Menus, Copyright 2006, OpenCube Inc. All Rights Reserved.

Publicação de Indicadores de qualidade
Relatório Acesso a Cuidados de Saúde
Lista de Pretações de Serviços
Consultas - Tempos de Espera
Urgências - Tempo de Espera
Carta dos Direiros de Acesso aos Cuidados de Saúde
1.
A admissão de uma criança no hospital só deve ter lugar quando os cuidados necessários à sua doença não possam ser prestados em casa, em consulta ou em hospital de dia.

2.
Uma criança hospitalizada tem direito a ter os pais ou seus substitutos, junto dela, dia e noite, qualquer que seja a sua idade ou o seu estado.

3.
Os pais devem ser encorajados a ficar junto do seu filho devendo ser-lhes facultadas facilidades materiais sem que isso implique qualquer encargo financeiro ou perda de salário. Os pais devem ser informados sobre as regras e as rotinas próprias do serviço para que participem activamente nos cuidados ao seu filho.

4.
As crianças e os pais têm o direito de receber uma informação sobre a doença e os  tratamentos, adequada à idade e à compreensão, a fim de poderem participar nas decisões que lhes dizem respeito.

5.
Deve evitar-se qualquer exame ou tratamento que não seja indispensável. As agressões físicas ou emocionais e a dor devem ser reduzidas ao mínimo.

6.
As crianças não devem ser admitidas em serviços de adultos. Devem ficar reunidas por grupos etários para beneficiarem de jogos, recreios e actividades educativas adaptadas à idade, com toda a segurança. As pessoas que as visitam devem ser aceites sem limites de idade.

7.
O hospital deve oferecer às crianças um ambiente que corresponda às suas necessidades físicas, afectivas e educativas, quer no aspecto do equipamento, quer no do pessoal e da segurança.

8.
A equipa de saúde deve ter a formação adequada para responder às necessidades psicológicas e emocionais das crianças e da família.

9.
A equipa de saúde deve ser organizada de modo a assegurar a continuidade dos cuidados que são prestados a cada criança.

10.
A intimidade de cada criança deve ser respeitada. A criança deve ser tratada com cuidado e compreensão em todas as circunstâncias.

SNS

CENTRO BIOMÉDICO DE SIMULAÇÃO CHP/ICBAS (CBS)

Centro de Genética Médica Doutor Jacinto Magalhães

SNS 24
Política de Cookies | Política de Privacidade Centro Hospitalar Universitário do Porto ©2018 | Todos direitos reservados Governo de Portugal